Desembaraço do Valente no Panamá

16/09/2014 22:36

Nosso Valente veio de Cartagena para o Porto Manzanillo, no Panamá pela Seaboard. Despachamos dia 21/08 e ele sairia de Cartagena dia 24, chegando dia 27/08 no Panamá.

Mas, nós fomos informados por email pela Sra. Tea  (indicação do Agente Manfred) que atrasaria e só chegaria ao Panamá dia 29/08, sendo possível retirá-lo somente no dia 01/09. Ela pediu U$ 250 dólares para fazer o desembaraço, isso para cada carro! Por isso, dispensamos seus serviços e resolvemos fazer sozinhos.

Logo que chegamos ao escritório da Seaboard, conhecemos o David, (Ezequiel David Rodriquez), gente boníssima e funcionário da Seaboard. Ele nos indicou onde ir e nos acompanhou. Perguntamos se nosso container já estava no pátio, e nos foi dito que desde o dia 27/08 estava ali. Pensa na nossa cara!

Nós ficamos muito bravos com a Sra. Tea, quando descobrimos que nossos carros já estavam no porto há quase uma semana e que gastamos com hotel e alimentação desnecessariamente neste período, além de, agora, termos que pagar armazenagem do container!

Eu disse ao grupo para deixar pra lá e fazermos o que tem de ser feito!

Nos foi informado a via sacra,  e teríamos que pegar um taxi e depois mais alguns. Ou seja: pelo menos uns U$ 60 de táxi, ou contratar alguém para isso, pois é um vai  e vem durante o dia todo.

Sendo assim,  perguntamos ao David onde poderíamos pegar um taxi, e ele disse para aguardarmos um instante. Aguardamos e ele apareceu com as chaves na mão dizendo que nos levaria!

Fomos fazer o seguro, que é obrigatório no Panama, custou U$ 15,00. Mas o problema foi que: o que era para ser rápido levou quase duas horas, pois a seguradora estava com o sistema fora do ar.

Resolvido isto, foi um tal de vai para lá e pra cá, pega carimbo aqui e ali, vai na aduana, volta na Seaboard, vai na aduana, etc.

O bom de tudo isso foi que o David ficou firme com a gente. Fala com um, fala com outro e está tudo resolvido. Deus estava no negócio, tenho certeza.

Quando perguntei o nome do David, disse que  era bíblico e ele disse seu primeiro nome, eu disse que também era... Deus estava na frente.

Um impasse aconteceu lá pelas 14:30 h no guichê de armazenagem: depois de todas as taxas pagas, cópias, carimbos, papel e mais papel, o nosso container não estava na relação da armazenagem. Foi um liga para cá, liga para lá... E descobrimos que, denovo, a Sra. Tea, tinha enviado uma solicitação, em nosso nome, para tirar o carro somente no dia seguinte, dia 02. O Jens já estava elogiando a mãe dela nessa hora.

Mas, descoberto o mal entendido, lá vem o David de novo nos dizendo para ficarmos frios que iríamos  pegar nossos carros hoje.

Depois de tudo certo fomos ao porto, e minha preocupação era como entrar no carro (leia mais em Despacho do Valente para o Panamá),  pois nos haviam dito em Cartagena! que nós teríamos que abrir o container, entrar e tirar o carro. Mas o David disse que no porto de Manzanillo não é permitido. Pegaram as chaves e foram fazer o serviço. Depois de duas horas esperando no pátio, nossos carros vieram!

Glorias a Deus, pois tudo estava correto! O carro do Jens estava com um erro no número do chassi que veio de Cartagena. Bem, mas como os trâmites no Panama foram feitos corretos, liberaram os carros e pediram para o Jens voltar no dia seguinte para arrumar isso.

Com os carros em mãos, saímos do porto as 18 horas! Foram dez horas para fazer todos os trâmites! Mas deu tudo certo, graças a Deus!