Diário dos Estados Unidos (05/10 a 04/11/2014) Parte 1

05/10/2014 03:25

Trajeto 1: Brownsville(A) - Austin - San Antonio - Austin - Fort Worth(B)

 

Dia 5 (Brownsville - TX)

Leia mais no Diário do México.

...Na imigração dos EUA, tudo muito limpo, sem aquele monte de agentes, e taxas e xerox que estávamos encontrando pela América central. Nem precisar sair do carro precisamos, fomos a uma cabine, nos foi solicitado somente os passaportes, recebemos a indicação de onde parar o carro para inspeção, um agente veio e pediu para que deixássemos as chaves do carro na ignição e o carro aberto que fariam uma inspeção sem a nossa presença. Essa foi a parte que não gostamos, mas pensando que estamos nos EUA, que aqui sim é seguro e não precisamos nos preocupar fomos com outro agente pagar uma taxa de U$ 12 dólares e fazer o trâmite do carro. Para nossa surpresa, não nos pediram minha licença internacional e nem o documento do carro. Nada, o agente pegou os passaportes, fez uns registros, pagamos a taxa e Welcome to EUA? Só isso, simples assim? Ainda ganhamos sete meses para ficar aqui? Uau! Obrigado Deus!

Sobre a mudança de roteiro, Monterrey ou Matamoros, o que tenho a dizer foi que a voz de Deus arde em nossos corações, e precisamos depender dele a cada dia, cada momento e aprender a conhecer e ouvir. Pessoas que não tem Jesus como seu Senhor e Salvador vivem atemorizadas por tudo ao seu redor. A descrição do que o Dr. Rómulo nos deu foi de um lugar na imaginação dele. Penso que algumas pessoas vivem paradas em alguns fatos que acontecem e não vivem mais. Ele disse que nunca passa por Matamoros. Pois eu penso que ele deveria passar para mudar sua opinião. Ouvir a voz de Deus e consultar a Deus sempre será o melhor caminho. O centro da Sua vontade.

Paramos para a foto profética na entrada e seguimos para um novo país, e a sensação de conquista invadia nossos corações. Estávamos extasiados com a sensação de estar nos EUA de carro. Chegamos... Não conseguimos acreditar! Paramos no primeiro supermercado para comprar tomate e água. Depois em uma loja do tipo Auto Parts para comprar a bandeira dos EUA. Levamos uma pedrada dois dias atrás no pára-brisa e como nos EUA, quase tudo é possível, na Auto Parts eles tem uma resina com aplicador e tudo para que você mesmo faça, que maravilha, nem sei quanto pagamos, mas no Brasil teria que pagar para uma empresa fazer isso.

Mais a frente paramos em um Car Wach onde você mesmo lava. Pedi ajuda para uma pessoa de como usar o aparelho e lá fomos nós, por 1 dólar você tem três minutos, gastamos 5 e deixamos o carro com uma aparência melhor! Depois nós fomos ao Rio RV Park para nos instalarmos. Chegando lá, o escritório estava fechado e fomos bater nos trailers para pedir ajuda. Nós encontramos um senhor que prontamente nos disse, estacione em qualquer lugar, aqui tem energia, ali tem água e ali banheiros e duchas. Maravilha, obrigado Deus. Amanhã vamos ao escritório e acertamos o pagamento. Ajeitamos tudo e fomos tomar um banho demorado. O banheiro do lugar tem ar condicionado, não acreditamos, deu vontade de dormir lá dentro.

 

Dia 06 (Austin - TX)

A noite foi tranquila. Acordamos e lá pelas 10h já estávamos prontos para sair. Passamos no escritório e pagamos U$ 36,00. Ui, foi caro, mas tudo certo, vamos a diante. Agora em direção a Austin, ou San Antônio. O GPS não quis calcular o endereço do Ricardo e nem o da Brenda, somente o de El Paso. Que havíamos dito ao Jhom que passaríamos na casa do tio dele. Mas como os mapas não estavam muito confiáveis achamos melhor mudar o roteiro e tentar seguir a Austin usando o forever  maps no IPad. Ainda com aquela sensação de estamos mesmo aqui nos EUA?

As rodovias são largas, duplas, triplas com velocidades máxima permitida de até 85 miles, isso corresponde a 140 km/h. Mas depois de tanta reta, já estava monótono. Paramos para a primeira abastecida. Aqui nos EUA é quase tudo selfservice e o posto também! Nós ficamos em frente a bomba lendo as instruções. Por uma razão que não descobrimos, não funcionou as instruções. Fui então ao caixa dentro do restaurante e pedi ajuda. A tendente pediu para que eu deixasse meu cartão com ela para enchimento completo, ou dissesse quanto queria que aí faria o pagamento e liberava a bomba.  Fiz assim, e voltei a bomba, fiz o processo pagamos e saímos.

Mais a frente paramos em um restaurante e pedimos um lanche e já aproveitamos a internet para dar notícias e falar com o Ricardo, pegar direção de como chegamos. Depois de tudo explicado nós seguimos. Com o GPS fora de ação, fomos pelo forever map, mas em um entroncamento de três vias pegamos a via errada, contornamos e voltamos, depois erramos novamente no centro. Entramos no estacionamento do Walmart e saímos do outro lado, corrigimos a rota e logo encontramos a casa do Ricardo e da Laurel.

Ele ainda não havia chegado, mas em cinco minutos estava ali. Que bom reencontrar os amigos! É sempre uma emoção reencontrar pessoas queridas! Amigos especiais! E ainda mais que quando saímos em 2012, compartilhamos sonhos que hoje estamos vendo realizados, como nosso retorno a casa deles (com nosso carro) e a construção da casa deles(que estava somente na planta), que ficou linda!

A Laurel, sua esposa, estava de saída para jantar com uma amiga, e nós e as crianças saímos para comer algo e conversar. 

Retornando a casa, novamente muito papo, histórias da viajem e um vinho para relaxar. 

Dormimos no quarto de hóspedes e foi uma noite muito agradável.

 

Dia 07

Acordamos com a Maia, uma doçura de menina vindo ao nosso quarto. O Ricardo logo apareceu e nos convidou para o café. Logo teve que sair para o escritório e nós ficamos em casa com a Laurel e as crianças.

Eu e a Jane fomos ao carro dar uma geral, e eu fui fazer o reparo no pára-brisa trincado. Pedi a Jane que me auxiliasse com as instruções que eram muitas e estavam em inglês. Decidimos que temos que fazer tudo juntos, compartilhar cada momento, para rirmos ou chorarmos juntos, estamos tentando. Ela começou a ler rápido e com desenvoltura. Como ela tem mais facilidade no inglês e vem estudando no carro, eu achei que ela tinha evoluído bastante, mas descobri depois que tinha instruções e espanhol e era o que ela estava lendo. Assim até eu! Kkkk Mas ela ajudou sim. O reparo ficou ótimo, melhor que o que já fiz em Blumenau com máquina. Isso deveria ter no Brasil.

Limpamos e organizamos o carro e ficamos na casa. Impressionante ver a Lurel cuidar de cinco crianças e da casa! Ela dá Homeschool para eles e tem a capacidade de dar a atenção necessária a cada um em seu nível de aprendizado. A janeh ficou impressionada! Uma pessoa extremamente calma, tranquila, organizada e firme! O resultado são crianças amáveis, inteligentes e educadas!

Eu pedi ao Ricardo que me ajudasse com uma consulta em um oftmologista pois meu óculos quebrou a armação e eu já colei umas três vezes, e as lentes estão horríveis. A Laurel conseguiu uma consulta as 16:30h. Antes de sairmos o Randy que estava de passagem por Austin veio até a casa para nos ver. Foi uma do e surpresa pois antes de sairmos de Blumenau ele estava lá e conheceu nosso carro. Agora nós é que estamos aqui. Conversamos um pouco e ele logo partiu para Fort Worth. Em breve nos encontraremos. 

Eu a Laurel saímos com o Neil para a minha consulta e depois fomos ao Walmart. A consulta foi muito boa, porém para fazer um óculos vai levar uns 10 dias, então vamos fazer em Fort Worth. 

Retornamos a casa e encontramos o Ricardo que já havia retornado também. A Laurel preparou um delicioso jantar, comemos, jogamos sinuca, bebemos uma taça de vinho, conversamos, cantamos com o Ricardo no vocal, a Laurel no piano, a Janeh no vocal e eu no Violão, foi muito divertido!

 

Dia 08

Hoje pela manhã saímos com o Ricardo para o escritório para fazer atualizações na internet e trabalhar um pouco. 

O Ricardo comprou uns burritos para o café e fomos comer no escritório. Como o mundo é pequeno! Encontrei trabalhando no escritório do Rico um rapaz de Sorocaba. Interessante as coincidencias da vida. 

A Jane trabalhou muito no site, passamos o dia fazendo isso. Eu fiz muitas pesquisas na internet sobre produtos e acessórios para RV's, e descobri que isso aqui é o paraíso. Estou até pensando em achar uma forma de ter uma loja nem que seja virtual para vender esses produtos no Brasil. Pode ser um bom negócio, vou orar sobre isso. 

Saímos as 18h do escritório e fomos comer algo, pois passamos o dia sem almoço, depois fomos comprar um HD externo para a Jane, pois nossas máquinas estão no limite já faz tempo. Estudamos a possibilidade de comprar um novo Notebook mas não decidimos ainda. 

Retornamos para casa e o Ricardo tinha um casal de amigos de visita para o jantar. A Jane estava um pouco enjoada e eu cansado. Fomos deitar um pouco para depois voltar mas não voltamos, pegamos no sono e fomos direto, das 20:30h até no outro dia.

 

Dia 09

Acordamos depois de uma noite muito bem dormida, fomos tomar café e o Chase não estava bem, acordou se sentindo mal e isso deixou todos um pouco preocupados. Saímos novamente para o escritório para hoje tentar postar uns vídeos. Aproveitar a internet boa. 

Eu continuei nas pesquisas na internet. 

A noite na casa, ficamos de papo e fomos dormir.

 

Dia 10

Aniversário do Ricardo, as crianças já estavam de pé. Nós ensaiamos com elas para cantar 'Parabéns" em portugues e em inglês também e assim que o Ricardo acordou cantamos para ele. Mesmo sendo seu aniversário e sexta-feira ele foi trabalhar. 

Eu e a Jane fomos dar uma volta no Walmart e comprar três Chip's para o iPad, celular da Jane e para o meu. A garota na At&t nos atendeu muito bem, mas não conseguia configurar nossos aparelhos. Levou quase três horas para fazer tudo, mas conseguiu!

Depois disso fomos ao restaurante comer um lanche pois estávamos mortos de fome. Agora sim, alimentados fomos no Walmart. Não dá para entender o porque tantos produtos que o Brasil consumiria facilmente  não são importados pela rede Walmart!  Chega a ser revoltante. Compramos algumas coisas e lá pelas 17 h voltamos para a casa. 

O Ricardo estava roçando a grama com seu brinquedo, um pequeno trator roçador. Chegou um amigo e o irmão da Laurel para comer o bolo do nível do Ricardo. Conversamos um pouco, comemos um delicioso bolo que a Laurel fez e fomos dormir.

 

Dia 11 (San Antonio)

Fomos a San Antônio para  visitar as missões e caminhar por riverwalk, um lugar inperdível!

Na noite anterior começou a chover e eu tinha estacionado o Valente todo na grama. O Ricardo sugeriu que eu colocasse na calçada, mas como estava próximo da calçada, não tirei, pois achei que não teríamos problemas. Erro meu, pois quando fomos sair, o carro atolou. Ele simplesmente afundou durante a noite, e não teve jeito. Pegamos um cabo que carrego no Valente e prendemos na suspensão do carro da Laurel e o Ricardo nos puxou. Foi cômico, mais uma atolada na grama, agora já são quatro. 

Fomos visitar a Mission San José, fundada em 1720 e concluída em 1782, de arquitetura espanhola. Conhecida como a "Queen of the Missions" foi quase totalmente restaurada, nos dando a visão de como viviam os jesuítas em suas comunidades há mais de 250 anos! um lugar histórico no Texas. Depois a San Antônio, mas antes paramos para comer no Cracker Barrel, uma ótima comida, sempre!  Já tínhamos ido a San Antônio da outra vez, mas foi a noite, e desta fez chegamos ainda de dia. Um lugar lindo e muito agradável e com muita coisa para se ver! Com muito turista na rua e muita gente fazendo de tudo um pouco. Ficamos passeando na Riverwalk e jantamos por lá! 

Pensamos em voltar para conhecer o museu de cera entre outras atrações que a cidade oferece.

Voltamos para Austin muito cansados e tarde da noite. As crianças chegaram dormindo já!

 

Dia 12

Todos de pé porque hoje vamos ao culto na igreja que o Ricardo e sua família estão congregando. 

Como sempre, impressiona a qualidade de tudo, desde o estacionamento. Café com Donuts na recepção, salão isolado da recepção com tratamento acústico, (um sonho meu). E dentro, som prefeito, iluminação e clima perfeitos. O louvor foi curto,pois chegamos um pouco atrasados, mas tudo bem. A palavra foi legal também, resumidamente, "não se preocupe com as oportunidades que ainda não chegaram para você e não se preocupe com as que o seu próximo, irmão está vivendo. Viva o seu momento".

Depois, o Ricardo nos levou a uma churrascaria Brasileira. Foi tudo muito legal, muita qualidade, uma comida deliciosa! Mas ir a uma churrascaria brasileira sem estar no Brasil e como ir a piscina pensando que está na praia. 

Depois fomos a uma tradicional cafeteria no lago em Austin tomar um café, mas ninguém comeu nada, pois tínhamos acabado de sair da mesa do almoço. E a Janeh comentou que se ele continuar nos dando comida assim, vamos mudar o nome do nosso projeto para "Rolando pelas Américas" e rimos muito!!! 

Mais tarde o Ricardo comprou um Tour para toda a família e para nós, em um carro curioso, anfíbio que passa pelas ruas de Austin e depois faz um passeio pelo lago!  Saímos e voltamos ao lago e assim como andava na rua, entrou na água e saiu navegando. Deu um medinho no início, mas logo adquirimos confiança. 

Neste carro ganhamos um bico de pato que todos ficavam soprando e tinha o som de muitos patos, foi muito divertido. 

Cansados retornamos a casa e recebemos a visita de um casal de amigos do Ricardo. Ele é um jovem pastor e juntos cantamos muitas canções e tocamos violão juntos, foi um tempo show também.

 

Dia 13 (Fort Worth TX)

Hoje acordamos e nos preparamos para sair e ir para Fort Worth, pois Randy e família estavam nos esperando. 

O Ricardo ainda tentou nos convencer a ficar mais, mas nós precisamos ir e podemos voltar outro dia. Tomamos café com a família, a Laurel fez panquecas e ovos e foi um tempo muito bom! Essa família vai deixar saudades... 

Após orarmos juntos, entramos no carro e saímos em direção a Fort Worth. O Ricardo nos acompanhou até a saída para pegarmos a 35 interestadual e lá fomos nós. 

Um ventou muito forte fez muitas vezes com que eu buscasse o carro no acostamento. Ele vinha lateralmente e foi muito trabalhoso dirigir. Tentava nos manter na média de 65mph, quando o limite era de 70 mph, e todos os outros carros passavam voando por nós. É muito estranho você estar dirigindo a 120 km/h e todos passando muito rápido por você. O GPS foi correto até a entrada de Fort Worth, quando próximo a um emaralhado de viadutos ele se perdeu e nos fez ir para o lado contrário, mas logo a frente fizemos um retorno e acertamos, em pouco tempo, estávamos em frente a casa da Brenda e do Randy. 

Foi uma sensação muito boa chegarmos aqui, pois esse originalmente era nosso ponto final até iniciarmos a volta para a América do Sul. Chegarmos nos EUA já foi ótimo, mas chegar em Fort Worth na casa do Randy e da Brenda,  foi especial. A Brenda veio nos receber e foi um tempo especial. O cheiro da casa me fez voltar no tempo, foi como se eu nunca tivesse saído em Janeiro de 2013. Foi mágico. As meninas estavam na escola e o Randy fora resolvendo algumas questões do trabalho. Saímos com a Brenda para buscar as meninas e foi especial também poder reencontrá-las e cumprir nossa promessa que iríamos voltar. Nunca imaginei que fosse desta forma, mas foi assim que Deus nos trouxe. Como não paramos para comer na estrada, saímos do Ricardo em Austin as 10h e chegamos ás 14h, estávamos famintos, e após pegar as meninas fomos comer algo.

Retornando a casa, o Randy já nos aguardava. Agora sim, todos juntos. Falei com o Randy sobre algumas das necessidades do carro e saímos para tentar comprar um estabilizador para nivelar o carro. Não encontramos, pois fomos a um lugar que vende coisas para oficina e não para RV, não sendo tão específico. Mas tudo bem, amanhã faremos. Retornando a casa, mostrei ao Randy a questão do carro, como funciona as coisas, e ele tem energia 220 W. Para nossa surpresa, em 220 W tudo funciona! O carregador da bateria não sabemos, pois a bateria está completamente baixa, então não temos certeza que vai ligar, mas o restante tudo está ok. 

Conversamos e colocamos a vida em dia. A Brenda já disse que tem planos para nos para o dia de ações de graças e para o natal e para o ano novo. Ela gostaria que ficássemos até abriu por aqui, acho,(kkkk) mas não vai ser possível, sabemos que vamos ficar e fazer algumas coisas, mas não tanto. Decidimos dormir no carro sem problemas, e ao contrário do Ricardo que não permitiu isso. Lá tivemos que dormir no quarto de hóspedes, o que foi ótimo poder ter uma suite para nós, por uns dias,! Mas dormir no carro para nós e como estar em casa. Como a Brenda não se opôs, o que foi bom para ela pois desta forma não precisa mudar em nada a rotina da casa. 

Após matar as saudades , enchi o tanque e até os banhos estão sendo tomados no Valente.

 

Dia 14

Acordamos e após uma noite no carro na frente da casa da Brenda, as meninas, Katie e Desi vieram nos chamar para o café.

A Brenda havia feito biscuits o Randy preparou carne de veado com suco e café. Como é bom rever os amigos e sentir emoções tão marcantes em nossas vidas como foi o ano de 2012 quando viemos pela primeira vez aos EUA. 

Após o café e conversarmos um pouco sobre nossa viajem, eu e o Randy saímos para ir até uma loja que tem peças e acessórios para RV's. O Randy não sabe muito como fazer com a parte elétrica que está com problema, então fomos procurar alguém que possa dizer onde exatamente está nosso problema e então partir para comprar o que precisa ser comprado. Porém o lugar estava lotado de serviço e nos indicaram outro que também estavam cheios por duas semanas. Parece que problemas com parte elétrica e mais comum do que eu poderia imaginar, mesmo aqui nos EUA. O Randy conseguiu o contato de um pessoal que vem até a casa, isso nos pareceu melhor pois não precisamos levar o carro para lá e para cá.O Randy combinou para quinta-feira. 

As meninas pediram para que eu fosse andar de bike com elas, e lá fui eu. Elas são umas preciosidades, e é difícil recusar. Depois de dois anos, foi divertido. A Jane ficou com a Brenda na casa e aproveitou pra lavar nossas roupas.

Fizemos almoço a moda americana, salgadinho, queijo, presunto, pão... Acho que se ficarmos muito tempo aqui vamos mudar o site para "Rolando pelas Américas" mesmo! 

Conversamos mais sobre a viajem e fomos assistir um filme na casa com as meninas. A Brenda está se dedicando a fazer coisas para a igreja que teria encontro a noite. Eles costumam comer juntos a noite e compartilhar sobre suas vidas e a palavra. 

No horário para ir para a reunião , estávamos ansiosos para reencontrar os irmãos que conhecemos em 2012. Chegamos a casa da Katy e do Brandon, um lindo apartamento com uma vista para um por do sol de arrepiar. Eu moraria ali sem problemas!!!

Comemos com os irmãos,  eu, a Jane e o Randy conduzimos o Louvor, cantamos em inglês, um tempo muito emocionante, podermos adorar juntos depois de tanto tempo! A Brenda ainda comentou como é pecioso ver Deus unir o que o inimigo tentou separar! E depois o Randy Chunn pediu para que nos falássemos de nossa viagem, do que Deus tem feito. A Jane iniciou e depois eu, com a ajuda da Brenda e do Randy na tradução. 

Como foi precioso reencontrar os irmãos e saber que oravam por nós e estavam nos esperando! Oramos e retornamos a casa. 

A Brenda disse que Deus falou muito através de nosso testemunho, e eu só podemos dar glórias a Ele por isso!

 

Dia 15

Hoje é o dia de irmos para Dallas na Tex Fair, a feira estadual do Texas. Essa feira acontece desde 1932 e é um grande evento que recebe gente de todo o Texas, durante três semanas, todos os dias da semana.

A Brenda ganhou as entradas para todos e lá fomos nós. A primeira impressão, como tudo por aqui impressiona, muita organização e limpeza. Andamos o dia todo, das 10h até as 21 h aproximadamente. 

A noite o parque de diversão toma uma outra dimensão. Com tantas cores e luzes de fazer qualquer adulto se emocionar. Nada parecido com o que vemos no Brasil e outros países da América do Sul e Central. Os brinquedos parecem novos e recém instalados. Uns mais loucos do que os outros, haja imaginação para fazer tanta coisa girar para todo lado. Vimos shows de animais, feira de carros, andamos em um simulador de um Dodge charge, entre outras atividades. 

Retornamos a casa e fizemos um lanche pois, como nem tudo é perfeito, lá a comida estava muito cara.

 

Dia 16

Hoje foi o dia de receber a visita do técnico para ver o que vamos fazer no nosso carro. Perto das 10 h ele chegou e eu já tinha desmontado o banco para deixar tudo aberto. Ele conversou bastante com o Randy e, como todos, ficou impressionado com o projeto e acabamentos. Mas disse que não teria como mexer pois o sistema brasileiro é bem diferente do padrão americano. Para modificar tudo custaria uns U$ 1500 dólares. Isso é o preço de um conversor novo no Brasil. Increnca pura! 

Nos deu muitas dicas, cobrou sua hora e visita e foi embora. Eu e o Randy ficamos conversando e pesquisando na internet para saber o que fazer. São muitas as opções, e vamos ter que pensar.  A noite nós assistimos um filme do velho oeste com pipoca. E depois ficamos ainda até depois de meia noite conversando. Foi um tempo bem especial.

 

Dia 17

Hoje no café o Randy sugeriu que saíssemos para comprar uma nova bateria para o carro e comprar alguma coisa para o isolamento termico também. Organizamos uma agenda e fomos atrás do equipamento, enquanto a Jane ficou em casa ajudando a Brenda com a arrumação da casa. Incrível como nos EUA você parece poder fazer tudo, mas não consegue fazer nada ao mesmo tempo! Tem muitas opções para fazer a mesma coisa, isso faz com que o Randy faça muitas pesquisas. Eu escrevi ontem para a empresa que fabrica o nosso conversor para tentar comprar peças e arrumar o nosso , mas não recebemos resposta. Não compramos a bateria pois não achamos a correta. O isolamento, decidimos comprar um com lã de vidro e um material reflectivo. Fissemos uma visita a loja Lower's, e dá para chorar lá dentro.

Chegamos em casa e fomos almoçar, a tarde tentar trabalhar um pouco.

Enquanto eu atualizava o diário, o Randy continuou as suas pesquisas. É difícil achar uma resposta pois aqui nos EUA eles pensam diferente e tudo é diferente em relação ao nosso carro. O Randy pediu que eu retirasse novamente o banco pois queria olhar melhor o conversor. Sendo assim, lá fomos nós, primeiro colamos o material atrás da porta para um melhor isolamento acústico e térmico e depois fomos explorar o conversor. Para a janta, a Janeh comprou um salmão e preparou para nós, uma receita que aprendeu com a Laurel do Ricardo, quando viemos aos EUA a primeira vez!. E a Brenda fez os seus deliciosos Cookies!

Peggie Harrington, irmã da igreja também veio para o jantar. Não chegamos a muitas conclusões no carro. A empresa no Brasil não respondeu meu email. Confesso que fiquei triste e frustrado com tudo isso. Pensava que chegaria aqui nos EUA e com uma consulta rápida, compraríamos o que precisava por um preço barato e pronto, tudo estava pronto, mas não foi assim, infelizmente. Estou pedindo uma direção de Deus sobre o que fazer, e tentar viver e entender o que ele tem proposto para nós com isso tudo. Fechamos o carro e fomos jantar. A Peggie fez algumas perguntas sobre a viajem e através da Brenda e do Randy, como tradutores, fomos falando. Foi um tempo muito agradável!

 

Dia 18

Hoje é aniversário do filho do Rushing e nós fomos até Dallas no aniversário que foi em um parque. E ali reencontramos o Rushing e pudemos conhecer seus filhos e esposa que, na ocasião que viemos aqui, não foi possível. 

Depois de 1:30h na estrada estávamos todos reunidos: a família do Caleb,  do Rushing, os pais de Ashley e amigos. Conversamos sobre algumas coisas do tempo do Brasil e como ele tem vivido agora. O aniversário foi bem simples, quando comparado com os feitos no Brasil. Um bolo de coockies e hot dog (pão com salsicha feito em um Grill com carvão). Água para beber, suco e muito espaço para as crianças com playground e foi tudo! Mas com certeza as crianças aproveitaram muito!! 

Saímos dali e fomos ao Sonic,  um lugar onde tomamos um suco com gelo e conversamos um pouco mais, depois retornando a Fort Worth.

Janeh - Hoje minha mãe faria 66 anos! Saudades enormes encheram meu coração! Lembrar dela é sempre uma boa lembrança, mas a lembrança de sua ausência é sempre dolorida. Conversei um pouco com minhas irmãs para amenizar as saudades... sempre resolve!

 

Dias 19/10 a 04/11

Nos dias seguintes que ficamos na casa do Randy, em Fort Worth acabamos não fazendo o diário pois estávamos envolvidos com os ajustes no Valente e em aproveitar para ajudar a Brenda com os afazeres da casa.

Uma situação interessante que ocorreu foi que a Bárbara, vizinha da Brenda, precisava de alguém para limpar as janelas da casa e alguém para cortar a grama. Como estávamos disponíveis, aceitamos o trabalho. A Jane fez o trabalho interno e eu externo. Para mim foi um tempo bem especial pois, depois de cinco meses sem trabalhar, fazer algum tipo de trabalho foi muito gratificante. Em especial porque a Bárbara e casada e seu esposo está doente não podendo realizar esse tipo de trabalho em casa. Mas com toda a sua idade e limitação durante os três dias que trabalhei na casa deles ele insistiu em ajudar. Muita força de vontade naquele homem.

Para nossa surpresa, recebemos por esse trabalho U$ 400 dólares! Isso nos deu vontade de ficar por aqui e fazer esse tipo de trabalho! Viveríamos melhor do que no Brasil!  

Enquanto isso o Randy estudava e pesquisava uma forma de arrumar nosso carro. Foram dias de pesquisa na internet e em livros. Eu tentava um contato com o Brasil para tentar substituir alguma coisa no nosso conversor, mas sem respostas. Enquanto as pesquisas do Randy avançavam.

Então, decidimos comprar tudo novo, conversor, carregador da Bateria, inversor, cabos e bateria nova, e aí, a empresa do Brasil respondeu. Aí já era tarde!

Nós fizemos um sistema completamente novo! No que eu podia ajudar ao Randy estava por lá, quando não podia, varria o quintal, duas a três vezes ao dia, limpei a marcenaria, arrumei as gavetas de ferramentas e brinquei com as Meninas, Katie e Desi. Basquete, futebol, bike e outras coisas que me distraia e tirava elas de dentro da casa, pois a Brenda e a Jane estava limpando e organizando.

Fomos a igreja (grupo em casa) por mais 3 semanas, louvamos com os irmãos, jantamos, compartilhamos a palavra e oramos juntos.

Destaque no Dia 29 (Aniversário da Janeh)

A Janeh fez 45 anos! Leia mais em Comemorando 45 Anos na estrada!

Ela saiu com a Brenda e voltou com um corte de cabelo totalmente novo! A noite fomos jantar em comemoração ao aniversário dela, voltamos e ficamos jogando sequence até tarde. A Brenda decidiu fazer cookies, que a Janeh gosta, e serviu com vela. Cantamos os parabéns mais uma vez, comemos cookies quentes com leite e fomos dormir!

Destaque no Dia 31 (Hallowen), 

Randy Chunn nos levou para uma partida de futebol americano em um estadio, do time número um das escolas de segundo grau do Texas, e pudemos ver o povo na rua pedindo doces de casa em casa. Curioso a forma como os americanos comemoram este dia.

O nosso carroficou pronto no dia 3 (leia mais em Pronto Para Seguir), mas pegou mais! Tivemos que ir a um mecânico e foi constatado que, depois de seis anos de uso, ela tinha morrido. Como já tínhamos ficado na mão algumas vezes na viajem, coloquei uma nova.

Os gastos com o carro foram além do que tínhamos previsto, mas não tínhamos saída, pois o correto seria termos feito isso antes de viajarmos. Mas ao menos agora, temos um sistema elétrico totalmente novo, baterias novas, ar condicionado, um novo exaustor/ventilador na cozinha e um aquecedor a gás!

Fomos a Academy compramos roupas para o frio e umas coisinhas mais para o dia a dia no carro. A parte legal de mexer no carro foi que nós fomos em diversos lugares que vendem peças e acessórios para motor homes, e descobrimos muita coisa legal. O Texas é o paraíso para quem tem RV. Pensei em voltar ao Brasil e abrir uma empresa de importação para acessórios para MH.

O dia de partir chegou e as dúvidas sobre para onde ir invadiram nossas mentes. Mas Deus foi dando direção e resolvemos seguir em direção ao Colorado. Planejamos a saída para dia 5/11, deixando então a família que nos acolheu por três maravilhosas semanas...

Leia mais em Diário dos Estados Unidos (Parte 2).