Diário 4: 01 a 07/03 - Key West - Linda e turística

04/03/2017 21:18

No dia seguinte voltamos cedo a Cummings para o reparo do gerador e estacionamos no mesmo lugar. O Toninho entrou e falou com o Arturo, que avisou que a peça ainda não tinha sido entregue. O Toninho pediu autorização para encher nossa caixa de água. Ele permitiu e o Toninho voltou ao carro para fazer isso enquanto esperava a peça chegar. Ele manobrou o carro para frente para alcançar a torneira e nisso um dos mecânicos veio falando em inglês alterado e disse: "Você não pode sair fazendo as coisas, você precisa pedir primeiro! ”, e saiu para o escritório para falar com o Arturo. O Toninho foi atrás e depois de conversarem, foi esclarecido o mal-entendido: o local onde o Toninho entrou era para lavar os caminhões e RVs, e o mecânico pensou que ele ia lavar nosso RV (a tá, então...).

Enfim, enchemos nosso tanque, eles arrumaram o gerador, que ficou como novo. O Toninho ainda conversou com o Arturo, perguntou se tínhamos feito algo errado, se não poderia ter estacionado ali, porque não vimos nenhuma placa sinalizando isso, ou algo assim, mas ele disse que não, que estava tudo certo e tinha sido só um mal-entendido. Ele ainda nos deu um desconto enorme (fiquei sem entender o motivo e achando que foi por causa do mal-entendido e o jeito como o mecânico nos tratou) mas, de US$715 nos cobraram US$615 dólares!? Enfim, as coisas sempre cooperam.

Saímos e seguimos viagem até Miami-Dade, uma cidade muito latina! Bem diferente de tudo que já vimos aqui! Estacionamos no Wal-Mart e fomos pegar algumas coisas. Só tinha hispânicos, tanto trabalhando como comprando. E a mudança no trânsito! Buzina para todo lado. Os americanos não buzinam para nada. Muito interessante. Muitos hispânicos trabalhando em plantações, que são o ponto forte nesta região subtropical. Encontramos gente de Cuba, Guatemala… nos postos, mercados falam em espanhol… outro detalhe é o preço das coisas: o combustível, que já pagamos $ 1,98 no Tennessee, aqui já está em $2,40 e à medida que vamos mais ao sul, aumenta.

Seguimos para Key West curiosos por descobrir se o lugar é tudo o que ouvimos. O dia está nublado e a previsão para os próximos dias é de chuva então, precisamos chegar hoje e ter ainda um dia para visitar o que queremos conhecer.

Sobre Key West:

Para chegar lá atravessamos 43 pontes, sendo uma com mais de 7 milhas de extensão. Key West é conhecido como um lugar extremamente turístico, no golfo do México, tem o privilégio por ter o Atlântico de um lado e o mar do caribe do outro.  É conhecida como a cidade mais meridional da parte continental dos Estados Unidos. Está a 90 milhas de Cuba. Diz a lenda que em dias muito claros é possível avistar Cuba de lá. 

Por seu clima sempre agradável e por suas águas cristalinas é procurada durante todo o ano para mergulho, scuba-diving, passeios de barco, jet ski, etc. Outro atrativo é o Sunset Celebration, por ter o pôr do sol considerado o mais bonito dos Estados Unidos, ritual que acontece todos os dias durante todo o ano.  Todos se juntam na Millôr Square, praça com bares onde diversos artistas fazem apresentações, malabarismos e shows, para celebrar o pôr-do-sol. O Sunset Celebration começa sempre 2 horas antes do pôr-do-sol e vai até 1 hora depois que o sol se põe.

Key West tem ainda o marco inicial da Rute 1 - South, interestadual que cruza os Estados Unidos pela costa do atlântico. O marco do Southernmost, o ponto mais ao sul do país, uma rua com casas brancas, muitos galos e galinhas soltos por toda a cidade, museus e parques nacionais e estaduais que podem ser visitados.

Nossa experiência não foi muito boa em relação a nossa movimentação dentro da cidade. Possui ruas muito estreitas o que dificulta, em muito, o deslocamento com um RV. Os estacionamentos são, na maioria para carros pequenos. Rodamos mais de 2 horas em busca de um estacionamento para conseguirmos ver o pôr do sol. Quase desistimos. Que bom que persistimos porque realmente o pôr do sol, é lindo!  A nossa preferência sempre é por lugares mais comuns sem tanta gente amontoada em cada ponto turístico. Mas a cidade é charmosa, tem diversos bares e pub´s que ficam lotados a noite, com música cubana, americana e shows diversos, um lugar interessante para quem gosta de agitação e praia. 

Depois do pôr do sol, caminhamos pela cidade, observando o movimento noturno em direção ao local onde estacionamos nosso RV. Pegamos novamente a I-1 em busca de um local para pernoitar. Passamos no estacionamento da Sears, uma grande loja de departamentos, e resolvemos ficar por ali. Tinham 2 RVs estacionados já.

A noite foi um pouco agitada. Por ficar as margens da rodovia o local é bastante barulhento, mas pelo menos ninguém veio nos convidar a sair, o que já foi muito bom.

Do extremo Sul ao Extremos Norte

Seguimos agora em direção ao norte. Agora inicia, oficialmente nossa jornada rumo ao Alasca. Paramos em um Home Depot em Miami Dade, a primeira cidade ao sair da longa sucessão de pontes que leva a Key West. O plano era parar para almoço, mas, acabamos ficando e dormindo. Interessante que o Wal-Mart fica ao lado, mas não permite overnight.

O estacionamento ficou cheio de RVs a noite, muito interessante.

Saímos pela manhã e decidimos ficar em algum lugar no Everglades National Park, mas cruzamos todo o parque, lotado por causa da época e ainda mais por ser sábado. Paramos no centro de informações para questionar por locais para dormir, e todos estavam lotados e não há possibilidade de dormir em algum local na rodovia, porque não tem local para parar! Um parque com áreas repletas de jacarés, tartarugas, Peixes e pássaros diversos e você não tem onde parar. E os locais onde pode parar nos dão uma visão muito simplória e limitada do local… uma pena. Teríamos que fazer trilhas e caminhadas pelo parque, mas como se não poderíamos ficar por ali? Sem chance! Saímos do parque e ainda tentamos um parque estadual, mas, não tinha lugar. Que saudades da Patagônia! Bom, decidimos dormir em uma Rest Area na I-75. Local com ótima infraestrutura e que permite pernoite com segurança.

Acordamos, mais uma vez, rodeado de RVs. Uma visão muito comum em qualquer lugar que paramos por aqui.

Tentamos ainda marcar um encontro com o pessoal do #Partiualasca, mas eles precisaram seguir para o norte, vamos esperar para nos encontrarmos mais para frente.

Seguimos então e paramos no TA, o Travel Center Of América, ao norte de Fort Myers, onde há lavanderia e outras facilidades. Lavamos as roupas, limpamos o motor home e aproveitamos para trabalhar.

O dia hoje foi para visitar a Lazy Days, uma grande loja de RVs que fica em frente e trabalhar. Final de tarde, como o sinal da internet aqui está ruim, o que dificulta trabalhar, decidimos ir para Zephyrhills e dormir no Wal-Mart.

Antes abastecemos com gasolina, água e gás. Aqui isso é algo muito bom, nos postos chamados de truco shops, há local para carregar água, fazer dump e encher o tanque de gás.