Panamá para a Colômbia com FerryXpress

13/03/2015 16:57

A travessia com o FerryXpress é para ser simples e tornar prático cruzar a fronteira do Panama com Colômbia e vise e versa. E esperávamos com muita expectativa por isto. Visto que para irmos da Colômbia para o Panamá, tivemos que mandar nosso carro em container e ir de avião! 

Mas, cruzar com ferry se revelou um processo cansativo e, depois de seis meses de funcionamento, ainda desencontrado e desorganizado, gerando um estresse desnecessário principalmente, pra quem pensa em fazer a travessia com carro ou moto! Saiba em detalhes lendo Diário América Central, dias 5 a 12 de março.

A começar pelo processo, (leia na íntegra em FerryXpress Panamá-Colômbia), que precisa ser programado para ser feito dias de semana, mesmo para quem pretende viajar na segunda-feira. Neste caso, você precisa chegar na Cidade do Panamá na quinta-feira anterior ao embarque.

Mas, caso as condições climáticas marítimas estejam boas, só precisa se preparar para gastar um dia com a DIJ, na Cidade do Panamá, e um dia no Porto de Colón, aguardando para embarcar o carro, já que orientam a chegar as 8:30 h; o primeiro atendimento é somente após as 9:30 h, o pessoal da vistoria chega as 2:30 h, a aduana abre as 16h e o embarque somente após as 16:30 horas. 

Em nosso caso, o problema foi que o Ferryxpress não saiu na segunda-feira, por más condições marítimas. O que é perfeitamente entendível com ondas de 6 metros de altura! O que não se explica é: como eles não tinham como saber disso com antecedência? Ou pelo menos, nos avisar ao comprarmos que estaríamos sujeitos a isso! 

Cancelaram a saída, mas não sabiam o que fazer com as pessoas que iriam embarcar. Mandaram todos embora, não considerando que muitos são turistas e já tinham hotéis reservados na Colômbia; nem que não tinham onde ir pois Colón é uma cidade com Perigosa e com poucas opções de hostel ou hotéis; e muitos turistas são mochileiros, ou seja, nem tem como se locomover do local para procurar por um lugar! Nos sugeriram ainda, ficar no Radisson, onde disseram que conseguiram desconto (U$ 90) a diária por pessoa?! Isto é impraticável para muitos dos viajantes que cruzam a América Central e do Sul. 

Muitos se recusaram a deixar o porto de Colón, obrigando a empresa a liberar as cabines do navio para uso nestes dois dias. Nada mais justo se pensarmos que o navio estava preparado e iria ficar dois dias parado ali no porto! Mas e os que saíram e retornaram até a Cidade do Panamá para buscar uma hospedagem segura?Os que ficaram ganharam cabines para os dois dias e, também, para o dia da viagem! E os que saíram e os que já tinham comprado cabine não foram ressarcidos, gerando um desagrado e reclamação geral pelos que se sentiram injustiçados!

A desculpa é que nunca tinham passado por isso! Mas isso, para os turistas que passaram três dias no Porto esperando, gastando com alimentação, para os que gastaram com hospedagem e alimentação fora, além do combustível, é uma desculpa muito fraca e a forma como foi gerida a situação, totalmente Amadora! 

O que poderia ter sido evitado se, simplesmente ao comprarmos a passagem, fossemos avisados desta possibilidade! O que nos daria a opção da escolha e a consciência das consequências!

Outro ponto absurdo foi que a Polícia do Porto ou a Aduana do Panamá, não se sabe quem, perdeu as cópias (pelas quais pagamos U$ 0,50 cada) de todos que não embarcaram na segunda e simplesmente nos disseram: - Ou apresentam as cópias ou não embarcam. Simples assim! Ainda tivemos que ouvir, depois de passar três dias dentro do porto esperando para embarcar que, para eles, nós não existimos! É uma falta de respeito e um descaso que chega a beirar ao ridículo!

Depois que embarcamos o atendimento do navio foi bom! O valor das bebidas e comidas que são muito caros (água 600 ml U$ 2,00 / Internet U$ 5,00 p/ hora!). 

O que deixa claro que existem muitos envolvidos: Porto, Polícia, Aduana, Empresa que vende ingressos, Pessoal do navio! Mas que não conseguem, ou não querem trabalhar em conjunto! Revelando que, há um complô para que este ferry não funcione, pois muitos vão "perder" com esta possibilidade! E, se alguém tem que perder, que sejam os turistas e viajantes que dependem da boa vontade do Panamá e da Colômbia para facilitar e baratear, para os que precisam cruzar da América Central para a América do Sul, e vice e versa! 

Com tudo isso, a imagem que fica para nós, é que o Panamá não dá a mínima para seus turistas! O que circula pelas redes sociais e, é uma vergonha para o País!