Chile - Trajeto I: Paso Mamuil Malal a Valdívia - 24/12/2015 a 02/01/2016

02/01/2016 13:07

 

Trajeto I: Paso Mamuil Malal – Pucón – Lago Caburga – Vulcão Villarrica – Villarrica – Valdívia

Veja fotos em Galeria de Fotos.

 

24/12-  A Pucón

A placa de boas-vindas nos recebeu logo na entrada do país! Descemos em direção a Pucón e logo a nossa esquerda o vulcão Villarrica com seus 2847 m.s.n.m., lindo e  ainda mais pressionante que o Lanin, embora seja mais baixo quase mil metros. Penso que seu formato e posição, acima das cidades, dá a ele esse ar de majestade.

Fomos até o Embarcadero La Poza, onde há uma das melhores vistas do Villarrica, e há um estacionamento, mas com uma linda vista do lago Villarrica e do vulcão, e fica próximo ao centro. O estacionando fica em frente uma propriedade que está fechada e á venda.

Logo chegou um carro do Chile com o Sr. Felix e seus dois filhos, Isabella de treze anos e Felix de oito anos. E logo em seguida chegou Erick, de Costa Rica, viaja a três anos (www.enndias.com), muito simpático, diz que trabalha com internet e viaja sozinho. Nós ficamos por ali, conversando, contemplando a paisagem.

Eu e a Alici fizemos pizza para a janta. Como era natal e estávamos juntos resolvemos presenteá-los! Juntos oramos e jantamos! Foi uma delícia!

Depois fomos ver o vulcão, que a noite solta suas chamas, e quanto mais escuro, mais visível fica! Uma visão impressionante, mas ao mesmo tempo assustadora. Ele entrou em erupção em marco de 2015, e os Mapuches que vivem ao derredor foram retirados. O acesso a sua base só foi liberada há um mês.

Conversando com o Féliz, resolvemos conhecer o Lago Caburga, um lago de origem vulcânica que fica há 23km de Pucón. Por ter sua origem na cratera do vulcão já apagado Caburga, tem suas águas a temperaturas entre 5 e 8 graus. Bem acima da média dos lagos de origem de degelo.

 

25 e 26/12 - Lago Caburga

O dia nasceu ensolarado. Eu arrumei meu café e fui tomar em frente ao lago e ao vulcão! Maravilhoso! Não precisa outra vista!

Logo que todos estavam prontos, nos despedimos do Erick, e seguimos para o Lago Caburga. Resolvemos ficar em um camping próximo ao lago, que fica em um pequeno bosque de Arrayanes!!!   

Com uma vista privilegiada do Lago, e um local super tranquilo. Nos instalamos, fomos ver o lago, e aproveitamos o dia para lavar roupas, limpar a casa e arrumar algumas coisas que precisavam de reparo (nosso armário de cozinha ganhou trancas dispensando os elásticos, e nosso registro de água negra, que estava vazando, foi trocado).

Almoçamos todos juntos, nós quatro e o Félix com seus filhos! Um tempo muito agradável. Muito bonita a relação dele com os filhos.

Coisas do Chile: Uma curiosidade interessante que ele estava nos contando é que ele tem muita dificuldade em sair do país com seus próprios filhos! Precisa uma autorização de um juiz da Família, e comprove que vai retornar, deixando uma propriedade como caução! E disse que demora tanto que a primeira vez que decidiu sair, pediu antes de iniciar as férias e só recebeu a autorização quando as aulas estavam começando. Ou seja: sem viagem. Desta vez, foram a Argentina e a Punta Cana, mas ele pediu a autorização com mais de seis meses de antecedência!

Outra coisa interessante é a forma como a lei acabou ficando injusta com os Pais no Chile. Ele falou que as mulheres podem agir como querem com seus filhos e não lhes acontece nada, mas um homem sempre perde as causas nos tribunais chilenos, mesmo sendo o melhor pai! Ele falou que hoje se casar no Chile passou a ser para o homem um risco, pois pode ser preso por nada!

Ele disse que esta lei nasceu para coibir o abuso e violência a mulher, mas que já se passaram muitos anos e nada foi mudado. Gerando uma desigualdade injusta que causa uma impotência diante das injustiças.

Compartilhou do dia que foi pegar a autorização para viajar com os filhos tinham duas mulheres conversando na fila. Uma dizendo que já tinha pensão de um homem e que agora estavam tentando "arrancar" mais uma pensão de outro homem com quem tivera outro filho, e uma dizia, "Se ganhar serão mais $100.000 pesos. Deixo um pouco com minha mãe, ela os cria para mim e vou viver a minha vida". E ele disse que essa é a mentalidade e a cultura gerada em Chile hoje. Muito triste!

O Chile no geral é um país seguro, com uma polícia integra! Aquí, oferecer dinheiro a polícia dá cadeia, e infrações de trânsito são punidas com severidade! Bem como a violência. E vemos na TV que eles trabalham para garantir a segurança no país! Os carabineiros (policiais) são respeitados e exemplo no país! O Chile também tem uma situação privilegiada desde que se separou do Mercosul. Abriu seus portos e não precisa de vistos para entrar em muitos países no mundo (no Peru precisa!! Por conflitos de interesses).

Um dia muito interessante...

26/12 - O dia acordou fresco, com temperaturas em 15 graus, e ensolarado. Levantei as nove, tomei café e fui para a beira do lago fazer minha devocional e escrever um pouco. Amo a quietude desses lugares.

Percebo com essas viagens que não fui feita para viver na correria e stress. Deixam mina alma aflita e meu organismo sente tudo! Fiquei ali até quase meio dia! Só ouvindo a água, as cigarras, os pássaros... O passeio dos barcos a distância... as gargalhadas do pessoal que brincava no outro lado do lago... Afinal estão em férias e aqui dá pra nadar!

Retornei ao acampamento e fizemos almoço, novamente todos juntos! À tarde os homens ficaram mexendo nos carros e conversando.

Eu fiz um bolo para os filhos do Félix, crianças doces e muito educadas. Amaram o bolo e agradeceram um monte.

Ao final da tarde comunicamos nossa saída no dia seguinte cedo e o Félix comentou que ficariam tristes sem nós!

 

27/12 – Vulcão Villarrica

Depois de nos despedirmos de Félix e seus filhos, e seguimos novamente a Pucón, para tentar achar o chip de dados e a Conaf para comprarmos o passe para os parques. Planos frustrados resolvemos ir até a base do vulcão Villarica e tentar dormir por lá!

Subimos sem problemas e chegamos com o vulcão aberto!!! Coisa mais linda!!! Sem uma nuvem! O vulcão entrou em atividade em março deste ano e esteve fechado o acesso ao parque até novembro. Não teve nem temporada de inverno por aqui!

Caminhamos até onde podíamos a pé, andamos pelo gelo, uma delícia!

Descemos e resolvemos dormir ali mesmo! Assistimos ao pôr do sol, comemos umas deliciosas empanadas com vinho e ficamos aguardando para ver se a noite seria possível ver as chamas do vulcão mais de perto. Mas fechou tudo com nuvens espessas ao redor dele, então, fomos dormir!

 

28/12 – Villarrica

Acordamos muitas vezes á noite, na esperança de ver se tinha aberto o vulcão, e para ver a bela lua que mais parecia um holofote de tão clara, mas nada do Villarica se mostrar para nós!

As sete horas acordamos com o pessoal que chegou para subir o vulcão até a cratera, e com eles veio um pessoal da Conaf (que administra o parque) e nos "convidou" para descer. Ele não quis papo! Imaginamos que ele pensou que iríamos subir o vulcão também e sem autorização, mas ele nem nos deixou explicar nada.

Arrumamos tudo e descemos!

Em Villarrica, estacionamento na beira do lago, onde fica a área dos skatistas

Já tinha um caminhão da Alemanha estacionado e alguns mochileiros conversavam com o viajante. Ouvi a voz grave e marcante e pensei já ter ouvido essa voz e olhei para ver se o conhecia, estava longe mas achei que era a voz do  Lothar  que conhecemos em Arequipa na primeira fase da viajem, na ida! Falei para o Toninho e ele foi lá bater para verificar, e era ele mesmo! Mundo pequeno! Conversamos um pouco e eles estavam saindo para ir a Valdívia ao encontro de um casal de amigos para passar o final de ano.

Fomos ao centro comprar o chip e tentar achar a Conaf. Passeamos pela feira Mapuche que tem no centro, e voltamos para o carro.

Uma informação interessante para quem quer vir ao Chile: a melhor internet por aqui, segundo o Eric que conhecemos, é a Entel e é possível comprar um chip somente para dados para usar por 15 dias! Por $10.000 pesos chilenos, com 3gb!

Fizemos almoço e o calor estava demais!!! À tarde, tive problemas com o chip de dados e voltamos a cidade para resolver. Ficamos caminhando pelo centro e retornamos ao carro final de tarde!

Ficamos ali curtindo o lago e o final de tarde.

 

29/12 a 02/01/2016 – Valdívia e os bons e inesperados encontros!

O dia amanhece cedo e o sol já estava alto! Tomamos café sentados nas pedras em frente ao lago! Uma delícia! Hoje o Villarrica estava à vista. Lindo, como sempre!

Ajeitamos tudo e fomos ao centro na Conaf para tentar comprar o passe anual dos parques do Chile, mas fomos informados que só vendem no escritório de Pucón ou Valdívia! Como íamos a Valdívia, deixamos para resolver isso outro dia!

Seguimos de Villarrica para Panguipulli, uma cidade à beira do lago com mesmo nome, e depois seguimos para Los Lagos. Paramos próximo a uma grande praça e ali fizemos o almoço e descansamos!

Fomos a Isla Teja num ponto do Ioverlander mas estava fechado, seguimos para as praias da Costa que dão vista para o Pacífico, depois de 20 km, sendo três em estrada de rípio, chegamos a um ponto, na praia Cafulco, no alto de um penhasco com uma trilha que dá na praia! Um visual incrível! Entramos e ali estavam acampados o Lothar e  a Martina, que conhecemos em nossa viajem na ida, na cidade de Arequipa, e outro casal da Alemanha, A Cláudia e o Uwe! Mundo realmente pequeno!

30/12 – O dia transcorreu tranquilo, sentamos com os alemães a tarde para tocar e cantar juntos! Eles falam pouco espanhol, mas deu tranquilo para se comunicar.

Conhecemos um pouco mais do Uwe e da Claudia, muito simpáticos e agradáveis!

Final da tarde fomos dar uma volta na praia e assistir ao pôr do sol! E muitos lobos marinhos se banhavam nas águas geladas do Pacífico, um outro espetáculo!

31/12 – Um susto! E a prova de que as aparências enganam!

Acordamos ás cinco e meia da manhã com três homens batendo no carro. Ficamos apreensivos, pois estávamos só nós, viajantes, ali neste lugar! O Lothar atendeu, falou com eles, eles ficaram esperando. A Martina levantou, o Lothar chamou o Uwe. Pensamos que teríamos que sair! O Toninho foi lá falar com os dois que contou que eles tinham deixado o carro cair em um barranco e precisavam ajuda para retirar ele de lá. O Lothar com seu caminhão foi junto com o Uwe ajudar.

Dia de descansar, curtir a paisagem, ver o pessoal saltar de paraglide, ouvir o barulho do mar... Uma delícia.

Muita conversa com os Alemães, e dicas do caminho para o Ushuaia.

Final de tarde fomos caminhar pela praia e na volta ficamos assistindo ao último pôr do sol do ano. Um espetáculo com que o Artista maior no brinda, revelando o Seu cuidado e amor! Mandamos mensagens para nossos familiares!!!

Tomamos banho, eu fiz uma pizza, comemos com vinho, oramos juntos agradecendo pelo ano que passou, e as onze horas, fomos com nossas cadeiras sentar com os alemães, e ali, conversando, esperamos o ano novo! Um momento marcado pela oportunidade de agradecer a Deus e compartilhar com  amigos o início de um novo ano!

01/01 – Foi um dia de descanso e curtir o lugar. Passeio pela praia, conversas, contemplar a vista, brincar com a Miah, uma cachorra muito esperta que o Uwe e a Cláudia adotaram no Uruguai há um ano...

O Toninho foi a Faculdade de Biologia, que fica há um quilometro de onde estávamos e pediu água! Nos deixaram pegar, sem problemas!

02/01 – Acordamos, nos despedimos dos alemães, fomos a Universidade abastecer os tanques com água e seguimos para Valdívia!