Diário 2 - 08 a 21/02 - RV Legalizado, e amizades para serem cultivadas

22/02/2017 22:30

Pretendemos chegar hoje ainda na Flórida. Vamos a Tampa onde conhecemos o Marcelo e onde vamos fazer toda a documentação do RV.

Aqui nos EUA há muitos truck stops, e Ali podemos fazer tudo desde abastecer até ter água, gás, fazer dump.  Paramos em um e já fizemos tudo o que precisávamos. Interessante: $ 10 dólares para fazer um Dump! Para nós, um absurdo! Mas aqui, fazer Dump em qualquer outro lugar não apropriado, pode render uma multa de $1000 dólares em alguns estados, então, convenhamos que $10 é muito barato. O gás pagamos $3 o galão. Fizemos ainda a média e o RV gasta um pouco mais do que calculamos a princípio - 8 milhas por galão. O que nos fez chegar à conclusão de que precisamos rever nosso orçamento, mas faz parte, são ajustes necessários.

Há algumas milhas da fronteira da Geórgia com a Flórida fomos novamente parados pela polícia. Dois carros desta vez. Um deles nos pediu o motivo de estarmos andando sem placa, checou nossos documentos e nos liberou com um “adiós” muito enfático! Rimos muito. Interessante como todos pensam que, por sermos do Brasil, falamos espanhol.

Chegamos em uma Rest Area na I-75, próximo já de Tampa e decidimos dormir ali.

Após nossa noite já na Flórida em uma Rest Area, dirigimos mais 100 milhas e chegamos Land O Lakes, onde fomos direto a DMV para marcar minha prova prática e finalizar a Drive License.

Com essa prova teremos a minha Driver License e poderemos fazer o seguro obrigatório e em seguida a placa do RV. Para fazer esse processo fui informado que precisaria de um carro já documentado e emplacado para fazer a prova. Entramos em contato com o Marcelo, um amigo que tem nos ajudado muito e expliquei a situação. Ele prontamente disse que levaria seu carro para que eu realizasse a prova. Marcamos para às 15hs. Isso era como 10hs da manhã.

Fomos até uma Loja Ross para comprar alguns itens que faltavam. Já aproveitamos e fizemos nosso almoço ali na praça de alimentação mesmo. Em seguida retornamos ao pátio da DMV e aguardamos o Marcelo.

Feito todos os processos (leia mais em como legalizar seu RV, e como fazer a Driver License), ao final do dia, procuramos um Wal-Mart para abastecer a geladeira e dormir no estacionamento. Antes disso, ainda passamos na casa do Marcelo e pegamos nossos cartões definitivos do Banco e nosso GPS que ficou no Brasil por nosso esquecimento e a Jô, irmã da Janeh, enviou para nós. Sete dias e estava na mão.

Fato interessante foi que compramos um GPS para poder rodar por aqui e, depois decidimos pedir que ela enviasse do Brasil, quando recebemos o nosso eu embalei novamente devolvi no Wal-Mart. Como isso funciona bem aqui, foi simples. Fui ao balcão e devolvi, a atendente perguntou se estava funcionando e se estava tudo bem. Eu disse que sim, só iria devolver. Ela fez o processo e devolveu o dinheiro na hora sem burocracia.

No dia seguinte, agora emplacados, legalizados, mais tranquilos que não seremos parados pela polícia por estarmos rodando sem placa, fizemos uma lista de tarefas:

Procurar um mecânico que nos foi indicado pelo Marcelo, trocar nosso número de telefone no Banco, ir a um Lowe’s ou The Home Depot, voltar a Ross para comprar mais cobertas e por último, decidir um local para dormir.

O plano é achar um RV Park mais em conta para ficar uns 10 dias parados organizando a vida e limpando o carro. Além de colocar o trabalho em dia. Fomos até a cidade de Lutz na oficina mecânica do Robson. Um mecânico brasileiro que vive aqui há muitos anos. Contei a ele nossa história, como compramos o RV no Tennessee e viemos 600 milhas rodando. Como eu senti o carro e sobre o consumo do motor V8. Ele deu uma olhada e disse que o carro está em dia. E que o test drive de 600 milhas, cerca de 960 km, já deu prova que está tudo em dia. Sobre o consumo ele disse que está certo, 8 milhas por galão. Isso é como 4 km/l, mas para os americanos isso está bom. Mais aliviados saímos e fomos atrás das outras tarefas.

Estacionamos no pátio do Lowe’s e caminhamos até um RV Park Resort ao lado. Uma pequena fortuna e não tinham vaga. Porém a senhora que nos atendeu foi com a nossa cara e nos deu um baguete deliciosa em troca de um abraço.

Em seguida fomos ao Lowe’s dar uma olhada e pegamos alguns itens para o interior do MH e umas ferramentas. Fomos novamente na Ross e pegamos mais algumas coisas. Nessa fase estamos equipando a nossa casa e todo dia lembramos que falta alguma coisa. Nem que seja um pegador, uma colher… sempre tem algo. Retornamos ao Wal-Mart para mais uma noite.

Ao amanhecer, tomamos café e fizemos umas pesquisas de local para ficar nossos 10 dias. Percebemos que na região de Tampa tudo é mais caro e que precisaríamos sair e ir um pouco mais para o interior. Saímos em direção a uma cidade chamada Zephyrhills. Uma cidade tranquila mais ao centro da Flórida.

Na estrada avistamos um RV e paramos. Parecia exatamente o que procurávamos. Um Senhor falando inglês misturado com espanhol nos atendeu. Ele é um morador do local e muito falante. Fez a maior propaganda, mas não tinha vaga. Seguimos e acabamos achando um local próximo dali. Many Manson RV Park. Entramos e perguntamos se tinham vaga e o valor. A princípio achamos fora do nosso orçamento, mas quando fizemos menção de sair, o homem da recepção nos fez uma oferta melhor e decidimos ficar. O local é supertranquilo. Estacionamos no local indicado, próximo ao chuveiro, banheiros e lavanderia. Temos água, energia, local para a água do esgoto e internet.

Ao nosso lado está um senhor (Georg) de New York que está desde novembro com seu MH e com seu carro que ele traz rebocado. Vive sozinho e vai ficar aqui na Flórida até abril. Muito simpático já foi logo dizendo que se precisássemos ir ao mercado ou sair para alguma coisa é só falar que ele leva. Muito querido. Após instalados, a Janeh foi lavar roupas na lavanderia e começamos a nos organizar.

Nesses 3 dias que estamos aqui, já lavei o MH, limpamos por dentro e por fora, e estamos trabalhando no site e nos trabalhos freelance. Ficaremos aqui mais seis dias e devemos partir em direção ao sul para ir até Key West.

Continuamos a organizar nossas coisas. Ainda não achamos uma rotina. Na realidade não temos e não queremos uma, mas para se chegar a um objetivo ela é necessária. Estamos tentando estabelecer uma e ver o que funciona, sem cobranças.

Na Flórida se produz muito morango e laranja. E nesta região aqui (Zephyrhills) o destaque especial é para os morangos. O Georg nos convidou para ir em um local que servem uma torta de morango muito especial conhecida como Shortcake Strawberry, e que muita gente vem de longe para provar. Aceitamos o convite. No caminho passamos por um grande centro de paraquedismo, e eu mostrei minha empolgação sobre o assunto. Neste momento o Georg falou que na volta poderíamos passar por lá.

O Georg encontrou outros amigos, todos da mesma idade. No local, fila de dar volta para provar o tal shortcake de morango. O local é bem conhecido na região. Parkesdale Farm Market. Muito simples, mas pessoas famosas com os ex presidentes Bush e o Obama já estiveram aqui. Além de uma feira de hortifrúti, existe todo um comércio para turistas de lembranças e comidas típicas. Mas o grande lance é o shortcake de morango. Custa $4,00.

O Georg pagou o nosso e ficou muito feliz em termos aceitado o seu convite. Aproveitamos as frutas frescas e com um preço bem melhor que no supermercado e fizemos a feira.

Saímos Dali ainda e demos uma volta no centro antigo de Zephyrhills e fomos ao supermercado. Por fim retornamos no centro de paraquedismo Skydive City, para dar uma olhada e tirar umas fotos e voltamos ao RV Park.

O Georg, nos agradeceu mais do que nós saímos com ele! Foi uma tarde muito agradável, realmente amamos a sua companhia.

No sábado pela manhã fomos a Oceola, em Kissimmee para encontrar o René e a Natalie. Nós não compramos o RV que eles estavam vendendo, mas fizemos amigos.

Fomos mostrar o nosso RV e pedir a opinião do Rene. Ele é mecânico e fez muitas coisas em seu RV, que foi o mais bonito e em melhor estado de todos que vimos, então as suas dicas são valiosas. No geral ele disse que está tudo em ordem. Me deu uma lata de 1 galão de uma tinta para selar o teto do nosso RV e me explicou como fazer. Deu outras dicas.

Quando estávamos conversando em frente à sua casa um dos pneus do rodado traseiro rompeu a válvula e esvazio causando um grande barulho e um grande susto. Saímos o mais rápido possível para ir a um borracheiro ali perto. Foi preciso só fazer o reparo da válvula, sem ter que trocar a roda. Sentimos ali a mão de Deus nos guardando naquele momento exato. Se isso acontecesse conosco rodando seria um grande transtorno. Com ele ainda aprendi que posso rodar e como fazer isso com um pneu vazio. Feito o reparo retornamos a sua casa.

Todos estávamos famintos e fomos almoçar juntos em um restaurante de comida chinesa. Depois uma volta pela cidade e o Rene nos mostrou um pouco do seu trabalho e nos levou a farol histórico na Old Town. De volta a casa, um rápido café e fomos orar juntos sobre nosso carro.

Foi bem legal esse momento, pois já havíamos orado com o Jeff e a Joni no Tennessee e agora esse casal falou que queria orar conosco e pelo RV. E oraram novamente inclusive com direito a unção com óleo. Saímos dali e retornamos ao RV Park já bem tarde da noite.

No domingo fomos ao culto em uma igreja batista aqui perto. Fomos caminhando pois é bem perto. Creio que nós éramos os mais novos, depois de duas moças que cantavam. Os demais eram bem idoso, mas isso não importa. Só nos mostra uma faceta diferente dos EUA. Nesta manhã, um casal de missionários norte-americanos Rex e Melinda, que tem um orfanato em Uganda, África, estavam lá para dar seu testemunho sobre o seu trabalho. Diferente de muitos missionários americanos, que são enviados por determinadas igrejas, eles têm um trabalho independente e de tempos em tempos visitam algumas igrejas para compartilhar do trabalho e arrecadar algumas ofertas. O trabalho deles conta com 150 crianças. Um tempo muito interessante, apesar da nossa dificuldade com a língua.

Hoje eu dei início ao trabalho de reparação no teto do nosso RV. Ainda precisava de algumas ferramentas para fazer o serviço, como pincel e rolo. Fui falar com o Georg e ver se ele tinha o que eu precisava. E não é que ele tinha tudo lá! Não gastei nada para fazer o serviço. Somente a minha mão de obra. Aprendi e ficou ótimo.

Deus tem cuidado de nós, somos gratos a ele pelas pessoas que vamos conhecendo e que ele usa para mostrar a nós seu cuidado e amor.

Os amigos e familiares que deixamos no Brasil fazem falta. Mas, os últimos anos foram um treinamento para nós não sentirmos tantas saudades e aprendermos a viver longe de todos. As redes sociais e tantos recursos nos fazem ficar mais próximos apesar da distância. Isso nos conforta bastante. Temos decisões a tomar para onde vamos e estamos planejando e orando. Deus vai dar a direção. Possivelmente vamos comprar mais um computador para que possamos nos organizar com as atualizações em nossa página e edições, bem como nosso trabalho pela internet.

Hoje, terça feira, deixamos o RV Park. E o Georg tinha saído cedo, não nos despedimos dele. Deixamos um bilhete e nosso cartão. Vamos sentir sua falta! Foram 10 dias muito agradáveis aqui. Sentiremos saudades, mas precisamos deixar o bom para que o ótimo venha!

Precisamos providenciar algumas coisinhas que observamos que precisam ser trocadas em nosso “pretty old RV” como diz o Georg. O problema é que tudo que queremos trocar, ao tirarmos, está acoplado a outra peça que, por ser velha, acaba quebrando. Mas, faz parte. Fomos comprar algumas peças no Cornibear RV, e depois fomos ao Lowe´s comprar algumas ferramentas e um piso para colocar na parte da cozinha que tem carpete. Decidimos fazer a mudança porque ter carpete na cozinha é muito complicado para manter a limpeza e com uma caixa de laminado cobrimos a área. Decidimos ainda não modificar o quarto dos fundos e compramos uma espuma para colocar por cima do colchão da cama Queen que temos sobre a cabine, que é desconfortável por ter o colchão com recortes e ficou show.