Uruguai 18/11 a 23/11/2015 (Rivera a Fraybentos)

23/11/2015 01:04

Trajeto: Rivera - Tacuarembó - San Gregório de Polanco - Paso de Los Toros - Colonia de Sacramento - Fraybentos

Visite também a Galeria de Fotos.

Saímos de Bagé, após a palestra no Encontro de Motorhomes no dia 16/11, acompanhados dos casais: Waldercy & Alici e Laudemir e Glaucia, em direção ao Uruguai.

A princípio  Vardé (como ele prefere ser chamado) e Alici  só iriam a Santana do Livramento e o Lau e a Glau, até Colônia del Sacramento.

Chegando em Rivera, onde dormimos no Paso de Frontera, e no dia seguinte o Vardé expressou seu desejo de seguir ao Ushuaia conosco, e a Alici, depois de algum tempo concordou! Fizemos uma festa só!

Providenciamos carta verde, troca de dinheiro passamos no mercado e compramos só o básico pois a vida no Uruguai é cara, e dia 18/11 seguimos rumo San Gregório de Polaco, mas acabamos dormindo na estrada, num Posto Esso em Tacuarembó.

 

No dia seguinte, chegamos à tarde em San Gregório de Polanco, cidade de nascimento de Carlos Gardel. Uma Península simpática e turística. Na praça central há uma casa com pinturas de Carlos Gardel, e as construções tem painéis pintados com artes muito interessantes!

Ficamos em um camping municipal com toda a estrutura e depois de uma noite de muita chuva, um dia ensolarado nos fez ficar mais um dia para lavarmos roupas!

Os homens decidiram fazer um churrasco que ficou delicioso, por sinal.

 

Um tempo muito interessante para conhecermos melhor cada um:

A Gláucia, de Pirassununga, antiga funcionária da aeronáutica, faz o jeito mãe preocupada, sempre querendo cozinhar (o que faz muito bem) e sempre em grande quantidade! Com uma voz linda, canta o tempo todo, parece um rouxinol!

O Lau, apelidado carinhosamente de SUS, é a calma e o sossego em pessoa. Com seus cabelos brancos, é tranquilo e muito agradável!

O Vardé é um típico minero, alegre, divertido e metido a professor pardal, tem solução para todos os problemas e não fica parado, juntos ajeitaram os problemas do Motorhome do Lau, do nosso.

A Alici é divertida e tranquila, gosta de fazer crochê e é uma ótima companhia para caminhadas! Costuma dizer que caminha em marcha lenta para envelhecer devagar! Uma graça.

Final de tarde fomos todos juntos assistir e fotografar o pôr do sol, às margens do Rio Negro, como sempre um espetáculo.

 

No dia 21/11, resolvermos passar na Barragem de Pasos de Los toros. Um passeio que vale a pena. Depois paramos na praça de pinico na entrada e preparamos o almoço.

 

Seguimos para Colônia de Sacramento e como já estava anoitecendo ficamos na Granja Arenas, onde o Sr. Emilio veio nos receber e, como sempre, muito solicito, nos disse para sentirmo-nos em casa. No dia seguinte depois de visitar o Museu, e o local seguimos para Colônia, onde estacionamos na praça próximo as muralhas do forte, sobre as linhas do antigo trem.

Passamos no Informações Turísticas para o Lau e a Glau pegarem mapas do Uruguai, fomos ver o Buquebus e retornamos a tempo de assistimos um teatro ao ar livre, ao pôr do sol. O teatro foi sobre a história de Colonia e as guerras entre a Espanha e Portugal pela posse dessas terras. Bem interessante e esclarecedor com relação a mistura de arquiteturas e ruínas tanto portuguesas como espanholas encontradas na cidade. 

No dia seguinte cedo, o Vardé, que madruga, nos avisou que os policiais nos pediram para tirarmos os motor-homes dali. Nós estacionamentos uns 300 metros adiante, bem ao lado da muralha. Tomamos café, e fomos juntos passear pela cidade antiga, pela muralha, o farol, a orla e o centro. Caminhamos a manhã toda! Um passeio muito agradável, na cidade onde carros antigos e abandonados brotam flores, e cada esquina guarda uma história sobre a guerra entre Portugal e Espanha por este pedaço de terra que é um encanto.

Retornamos, fizemos almoço e chegou o momento difícil: hoje é dia de nos separarmos!  Nós seguimos com Vardé e Alici para o Ushuaia e o Lau e a Glau retornam ao Brasil pela costa do Uruguai.

Oramos juntos, nos abraçamos e seguimos, cada um, sua direção.

Seguimos até um posto Bosque Alto, em FrayBentos, onde passamos a noite que foi meio difícil, principalmente para mim, pois os funcionários ficavam conversando alto e eu acordava com muita frequência! Levantamos cedo e seguimos rumo a fronteira! Em quinze minutos e sem sair do carro fizemos os tramites e adentramos o território Argentino!

Argentina nos espera!